Estudos

 

A A3ES, por intermédio do seu Gabinete de Estudos e Análise é responsável pela realização de estudos e análises no âmbito da garantia da qualidade do ensino superior. No exercício desta competência a A3ES está o desenvolver ou já concluiu os seguintes estudos e projetos:

 

A A3ES integra o consórcio EIQAS - Enhancing Internal Quality Assurance Systems – NOVO

A Agência integra o consórcio do projecto europeu Erasmus+, EIQAS - Enhancing Internal Quality Assurance Systems, coordenado pela Agência da Polónia, PKA. O projecto é apoiado pela Ação-chave 2 (KA2), na medida para as parcerias estratégicas no ensino superior, Strategic Partnerships in Higher Education. Os parceiros portugueses são a A3ES – Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, o CRUP - Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e a UM - Universidade do Minho. http://www.eiqas.com

 

Indicadores de Empregabilidade. Estudo sobre a medição da empregabilidade no ensino superior

Este estudo pretende proceder à inventariação e sistematização dos exercícios de medição da empregabilidade e das respetivas metodologias conduzidos pelas instituições do ensino superior ou por outros organismos e à análise crítica das metodologias utilizadas, propondo uma metodologia de medição da empregabilidade a aplicar de forma transversal para todos os ciclos de estudo e instituições.

 

Implementação dos sistemas internos de garantia da qualidade no ensino superior em Portugal

O estudo pretende avaliar o grau de implementação das normas para a certificação dos sistemas internos de garantia de qualidade nas instituições de ensino superior em Portugal. Os resultados deste estudo informarão não só a A3ES relativamente à sua atuação neste domínio, mas também as instituições, que poderão obter um diagnóstico da sua situação e comparar-se com outras instituições congéneres.

O estudo recorrerá a uma metodologia quantitativa, utilizando um inquérito por questionário dirigido a todos os docentes do ensino superior em Portugal. Pretende-se saber o grau de concordância dos docentes com os princípios das normas e a sua perceção sobre a implementação das várias normas na sua unidade orgânica e/ou instituição de ensino superior.

Serão elaborados relatórios personalizados para cada unidade orgânica, instituição de ensino superior e um relatório global. O relatório global analisará os dados por grupos: universitário vs. politécnico, público vs. privado, áreas de educação e formação, áreas científicas, categoria profissional do respondente, envolvimento do respondente na gestão e envolvimento do respondente com atividades de gestão da qualidade.

 

Os académicos no sistema de ensino superior português

Este projeto promove a caraterização do corpo docente do ensino superior português, incluindo uma distribuição regional, por subsistemas (universidade/politécnico; público/privado), por área disciplinar (com particular referência aos pontos fortes e às debilidades) e por género, bem como caracteriza os seus domínios de atividade.

A análise será baseada na construção de uma base de dados dos docentes dos diferentes subsistemas (público/privado; universitário/politécnico). A caracterização destes docentes será feita de acordo com a informação das fichas curriculares respetivas (base de dados da A3ES) e com conteúdos da página de rosto de cada processo relativo a cada uma das unidades orgânicas.

 

Projeto internacional – IBAR

A adoção, em 2005 Standards and Guidelines for Quality Assurance in the European Higher Education Area (ESG) criou uma nova dinâmica no domínio das políticas de garantia da qualidade. Até agora, a investigação desenvolvida centrou-se nas agências nacionais de garantia da qualidade, mas não ao nível institucional e ignorou a extensão ao ensino secundário bem como o desenvolvimento de uma base teórica. O projeto pretende eliminar esta falha no conhecimento empírico e teórico do seguinte modo: (i) identificando as barreiras à implementação do ESG a nível institucional (i.e. ESG Part 1) e produzindo recomendações relevantes para a modificação das ESG Part 1; (ii) identificando a medida em que a implementação das ESG Part 1 tem impacto sobre as relações entre os setores do ensino secundário e do ensino superior. O cumprimento destes objetivos será baseado na teoria do deficit de implementação e será feita por investigação sobre uma amostra de 28 IES em 7 países Europeus (CZ, GB, LV, PT, PL, SK, NL) e consequente análise comparativa. Os resultados deste projeto contribuirão para a formação de políticas no domínio da garantia da qualidade, com ênfase especial sobre a facilitação da implementação das ESG Part 1, i.e. ENQA (e associados), gestão das IES, diretores das escolas secundárias, ministérios da educação e parceiros interessados da comunidade dos investigadores.

A A3ES participa neste projeto de análise dos ESG por associação com o CIPES. O projeto, a concluir no final de 2013, é financiado pelo Lifelong Learning Programme da Direção Geral de Educação e Cultura da União Europeia. Integram o projeto os seguintes países: Portugal, Holanda, Reino Unido, República Checa, Polónia, Letónia e Eslováquia.

Publicações:

Tavares, O., Cardoso, S., Sin, C. (2013), Mapping Portuguese institutional policies on access against the European Standards and Guidelines, in Brankovic, J., Klemencic, M., Lazetic, P., and Pavel Z. (Eds) Global Challenges, Local Responses in Higher Education. The contemporary issues in national and comparative perspective, Sense series "Higher Education Research in the 21st Century".  Accepted for publication.

Sin C, Manatos MJ (2013). Student assessment in Portugal: academic practices and Bologna policy. Higher Education Policy. Accepted for publication.

Sarrico, C.S., Veiga, A. and Amaral, A. (2013). Quality, Management and Governance in European Higher Education Institutions. European Higher Education Area.  Accepted for publication.

Sarrico, C.S., Veiga, A. and Amaral, A. (2013). The long road – how evolving institutional governance mechanisms are changing the face of quality in Portuguese higher education. Educational Assessment, Evaluation and Accountability.  Accepted for publication.

Rosa, M.J., Teixeira, P. (2013) Policy Reforms, Trojan Horses, and Imaginary Friends: The Role of External Stakeholders in Internal Quality Assurance Systems. Higher Education Policy. Accepted for publication.

 

Projeto internacional – JOQAR – Joint programmes: Quality assurance and recognition of degrees awarded 

Este projeto é uma iniciativa da ECA – European Consortium for Accreditation e financiado pela Comissão Europeia. O objetivo deste projeto é garantir que os ciclos de estudos Erasmus Mundus (bem como os ciclos de estudos conjuntos em geral) sejam agilizados em duas áreas específicas: acreditação e reconhecimento. A parceria que desenvolve o projeto inclui agências de qualidade/acreditação e entidades de reconhecimento (ENIC-NARICs).

 

Aplicação da Teoria Cultural ao Impacto dos Processos de Avaliação – Concluído

Frederiks, Westerheijden e Weusthof usaram a análise de contingência de Child e a metodologia da economia política para explicar as diferenças na utilização dos resultados da avaliação por indivíduos ou grupos que pertencem a organizações de ensino superior, concluindo que o seu esforço tinha tido êxito parcial.

Nesta aproximação considera-se que as diferentes atitudes das instituições de ensino superior são fortemente determinadas pela sua cultura, nomeadamente pelas diferentes culturas das universidades e das áreas científicas. Recorre-se à teoria cultural de Mary Douglas para interpretar os resultados.

O projeto consiste numa análise de um conjunto de inquéritos duplos, a primeira parte permitindo localizar o respondente num dos quadrantes culturais e a segunda parte determinando até que ponto a pertença a um quadrante cultural determina a posição em relação aos processos de qualidade.

Publicações:

Amaral, A., Rovio-Johansson, A., Rosa, M.J., Westerheijden, D. (2008). Essays on Supportive Peer Review. New York: Nova Science Publishers, Inc.

Stensaker, B., Välimaa, J. and Sarrico, C. (Eds) (2012), Managing Reform in Universities. The Dynamics of Culture, Identity and Organizational Change, Chippenham and Eastbourne, Palgrave McMillan.

Amaral, A., Rosa, M.J., Tavares, D.A. (2009). Supra-national Accreditation, Trust and Institutional Autonomy: Contrasting Developments of Accreditation in Europe and the United States, Higher Education Management and Policy, 21.3, pp. 23-40.

Tavares, D.A., Rosa, M.J., Amaral, A. (2010). Does the EUA Institutional Evaluation Programme Contribute to Quality Improvement? Quality Assurance in Education, 18.3, pp. 178-190.

Amaral, A. and Rosa, M.J. (2010), Recent Trends in Quality Assurance, Quality in Higher Education, 16.1, pp. 59-61.

Amaral, A., (2010), Impacto del asegureamiento de le calidad en la eficacia formativa. In Calidad de los egresados, responsabilidad institucional ineludible, Seminário Internacional, Santiago de Chile,  37-48.

Sarrico, C., Rosa, M., Teixeira, P. and Cardoso, M. (2010), Assessing Quality and Evaluating Performance in Higher Education: Worlds apart or complementary views? Minerva, 48, pp. 35-54.

Cardoso, S., Rosa, M.J., Tavares, D.A., Amaral, A. (2011). Increasing Role of Market Forces in HE: Is The EUA Institutional Evaluation Programme Playing a Role? In P. N. Teixeira and D.D. Dill (Eds), Public Vices, Private Virtues? Assessing the Effects of Marketization in Higher Education. Rotterdam: Sense Publishers.

Amaral, A., Rosa, M.J. (2011). Trans-National Accountability Initiatives: The case of the EUA Audits. In B. Stensaker and L. Harvey (Eds), Accountability in Higher Education. Global Perspectives on Trust and Power. UK: Routledge.

Veiga, A., Rosa, M. J., Amaral, A. (2011), “Understanding the impacts of quality assessment: an explanatory use of cultural theory”, Quality in Higher Education, Vol. 17, nº 1, pp. 53-57.

Rosa, M.J., Cardoso, S., Dias, D., Amaral, A. (2011). The EUA Institutional Evaluation Programme: an account of institutional best practices, Quality in Higher Education, 17(3), 369-386.

Sarrico, C.S. and Melo, A.I. (2012). Let the devil choose: frustration or anxiety in the wake of performance measurement in universities. In B. Stensaker, J. Valimaa and C.S. Sarrico (Eds.), Managing reform in universities: The dynamics of culture, identity and organisational change. Palgrave: Basingstoke.

Rosa, M.J. and Amaral, A. (2012) Is there a bridge between quailty and quality assurance?, in Stensaker, B., Välimaa, J. and Sarrico, C. (2012) Managing Reform in Universities. The Dynamics of Culture, Identity and Organizational Change, Chippenham and Eastbourne, Palgrave McMillan, pp. 114-134.

Cardoso, C.S. (2012). Students perceptions of quality – is there an option besides treating them as consumers? In B. Stensaker, J. Valimaa and C.S. Sarrico (Eds.), Managing Reform in Universities: the dynamics of culture, identity and organisational change. Palgrave: Basingstoke.

Rosa, M.J. and Sarrico, C. (2012). Quality, Evaluation and Accreditation: from Steering, Through Compliance, on to Enhancement and Innovation? In G. Neave and A. Amaral, Higher Education in Portugal 1974–2009: A Nation, a Generation (249-264). Dordrecht: Springer.

Rosa, M.J., Sarrico, C. And Amaral, A. (2012), “Implementing Quality Management Systems in Higher Education Institutions”, in Savsar, M. (ed.), Quality Assurance and Management, Croatia, INTECH.

Amaral, A. (2012), “Foreword”, in Neave, G., The Evaluative State, Institutional Autonomy and Re-engineering Higher Education in Western Europe – The Prince and His Pleasure, Chippenham and Eastbourne, pp. ix-xiii.

Rosa, M.J., Sarrico, C. and Amaral, A. (2012), “Academics’ perceptions on the purposes of quality assessment”, Quality in Higher Education, 18.3, pp. 349–366.

Cardoso, S., Santiago, R. and Sarrico, C.S. (2012). The impact of quality assessment in universities: Portuguese students’ perceptions, Journal of Higher Education Policy and Management, 34.2, pp. 125-138.

Cardoso, S., Rosa, M.J. and Santos, C.S. (2013) Different Academics’ Characteristics, Different Perceptions on Quality Assessment? Quality Assurance in Education, 21.1, pp. 96 - 117.

Veiga, A., Rosa, M. J., Dias, D., Amaral, A. (2013). “Why is it difficult to grasp the impacts of the Portuguese quality assurance system?" European Journal of Education, (accepted for publication).

Westerheijden, D.F., Stensaker, B., Rosa, M.J., Corbett, A. (forthcoming). Next Generations, Catwalks, Random Walks and Arms Races: Conceptualising the Development of Quality Assurance Schemes, European Journal of Education (accepted for publication).

 

Empregabilidade e ensino superior em Portugal – Concluído

Cinco anos após a generalização da adoção do Processo de Bolonha no sistema de ensino superior em Portugal, importa saber se o objetivo primordial da realização da empregabilidade tem sido alcançado. Para isso, é fundamental responder a algumas perguntas, para as quais não dispomos ainda de elementos suficientes de resposta, por exemplo:

a) Quais são as implicações do Processo de Bolonha na evolução do número de diplomados em cada ciclo de estudos e em cada um dos subsistemas de ensino?

b) Quais são as áreas de formação e os setores de atividade que têm sido mais afetados, positiva e negativamente, pela entrada em vigor dos novos modelos de ciclos de estudos?

c) Quais são as consequências resultantes da diminuição da duração dos cursos de 1º ciclo, na generalidade das áreas científicas, em termos de inserção no mundo do trabalho e o exercício profissional?

d) Qual é o grau de mobilidade entre instituições e áreas científicas nas mudanças de ciclo de estudos?

e) Para que as instituições de ensino superior não deixem de ter em atenção os objetivos da sua missão formadora, e para que as entidades empregadoras possam recrutar os recursos humanos de que necessitam, como estabelecer formas de relacionamento que permitam a satisfação simultânea dos respetivos objetivos?

Publicações:

Cardoso, J.L., Escária, V., Ferreira, V.S., Madruga, P., Raimundo, A. e Varanda, M. (2012), Empregabilidade e Ensino Superior em Portugal, A3ES Readings, n.º 3, Lisboa: A3ES.

 

A rede de ensino superior em Portugal – Concluído

O estudo da REDE de ensino superior em Portugal contempla duas componentes: uma análise e caraterização da situação atual, desenvolvida de forma crítica, sob a forma de um quase-diagnóstico, com identificação de pontos fortes e pontos fracos e uma componente de planeamento ou intervenção, de suporte a políticas para o setor, com o desenvolvimento de cenários prospetivos e identificação de metas ou “visões” da rede, a curto e médio prazo.

O estudo orientar-se-á em torno de 4 eixos principais, articulados entre si, mantendo um fluxo de incorporação dos resultados de cada um deles nos restantes, num processo de feedback contínuo e looping:

a) Caracterização da tipologia de instituições de ensino superior

b) Caracterização dos recursos humanos – corpo docente – e investigação científica de suporte ao desenvolvimento do ensino superior

c) Caracterização do acesso

d) Padrão territorial

Publicações:

Fonseca, M.P. e Encarnação, S. (2012), O Sistema de Ensino Superior em Portugal em Mapas e em Números, A3ES Readings, N.º 4, Lisboa: A3ES.

Fonseca, M.P. e Encarnação, S. (2012), O Sistema de Ensino Superior. Perfis Institucionais: As Universidades Públicas, A3ES Readings, N.º 5, Lisboa: A3ES.

Fonseca, M.P. e Encarnação, S. (2012), O Sistema de Ensino Superior. Perfis Institucionais: Institutos Politécnicos Públicos, N.º 6, Lisboa: A3ES.

 

Tendências recentes no ensino superior português – Concluído

Este projeto tem como principal objetivo identificar algumas tendências na evolução recente do ensino superior em Portugal. Para o efeito foram identificados três aspetos.

Primeiro, será descrita com detalhe a composição das vagas e dos inscritos no ensino superior, tendo em conta os subsistemas universitário e politécnico, bem como os setores público e privado, existentes. 

Segundo, será abordado o concurso especial dos maiores de 23 que constitui uma forma importante de entrada no ensino superior da qual parece depender a taxa de ocupação de diversas instituições. Mais uma vez serão apresentados indicadores de oferta e procura e serão analisados ambos os subsistemas e ambos os setores.

Terceiro, será estudada a mobilidade geográfica dos candidatos da 1.ª fase (consubstanciada nas suas primeiras escolhas) e dos matriculados no conjunto das três fases do concurso nacional de acesso, entre as regiões de origem e as instituições de ensino superior de destino. Tomar-se-ão duas perspetivas alternativas. Primeiro, será caraterizada a área de recrutamento de cada instituição, procurando perceber se a área de recrutamento potencial (determinada a partir das primeiras escolhas dos candidatos da 1.ª fase) e efetiva (determinada a partir das instituições onde se matriculam os estudantes) são de cariz mais local ou nacional. Segundo, para cada região de origem, procurar-se-á caraterizar a concentração de candidatos e matriculados em determinadas instituições de ensino superior.

Publicações:

Sá, C., Dias, D. e Tavares, O. (2013), Tendências Recentes no Ensino Superior Português em Mapas e em Números, N.º 7, Lisboa: A3ES.

 

A eficiência formativa e a empregabilidade – Concluído

Pretende-se traçar uma panorâmica do sistema de ensino superior português relativamente às principais dimensões da eficiência interna e externa. Uma primeira parte do estudo aborda a componente da eficiência formativa (Sarrico et al. 2009; Sarrico et al. 2010; Teixeira et al. 2007), com o objetivo de identificar fatores capazes de a explicar, tendo em consideração a área científica e o subsetor de ensino superior (politécnico e universitário) separadamente.

Uma segunda parte do estudo aborda a componente de eficiência externa através da análise da empregabilidade, enquanto outro dos resultados principais do ensino superior. O objetivo do estudo será, à semelhança do definido para a primeira parte, encontrar fatores explicativos da empregabilidade, recorrendo aos dados conseguidos através do processo de acreditação preliminar dos ciclos de estudos em funcionamento, bem como às estatísticas oficiais produzidas pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) relativamente à empregabilidade dos graduados.

No estudo haverá uma preocupação em tentar identificar possíveis diferenças significativas entre os diferentes subsetores (politécnico e universitário) que compõem o ensino superior português e ao nível das diferentes áreas científicas. A análise terá também em conta os diferentes regimes de funcionamento.

Publicações:

Sarrico, C., Rosa, M.J., Teixeira, P., Machado, I. e Biscaia, R. (2013), A Eficiência Formativa e a Empregabilidade no Ensino Superior Português, N.º 8, Lisboa: A3ES.